Alergias

Alergia ou reação de hipersensibilidade, é uma resposta exagerada do sistema imunológico após a exposição a uma série de agentes , em indivíduos predispostos geneticamente. Agentes que costumam causar alergias são:

  • Ácaros
  • Fungos
  • Insetos, pelos de animais
  • Pólens
  • Alimentos
  • Medicamentos.

 

A herança genética é a base para se ter alergia, entretanto ela só será desencadeada com a exposição a fatores ambientais. Pode acometer indivíduos em qualquer faixa etária, sendo atualmente considerada um problema de saúde pública por acometer grande parte da população mundial, comprometendo de forma significativa a qualidade de vida de adultos e crianças.

A gravidade das alergias varia de pessoa para pessoa e pode causar desde uma irritação menor a anafilaxia - uma emergência potencialmente fatal. Embora a maioria das alergias não possa ser curada, os tratamentos podem ajudar a aliviar os sintomas da alergia.

Principais exames:

Exames laboratoriais, como a dosagem de IgE total e IgE específico no sangue.

Tempo de Jejum: Não obrigatório

Bioquímica

O exame de ácido úrico avalia as quantidades dessa substância no sangue. O ácido úrico é um subproduto das purinas, compostos encontrados nas células do corpo, incluindo o DNA.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Esse exame mede a quantidade de amilase no sangue ou na urina, e, às vezes, no líquido peritoneal.

A amilase pancreática é uma enzima secretada através do canal pancreático no duodeno, onde participa da digestão intestinal de carboidratos.

Outros órgãos também produzem amilase, em especial as glândulas salivares.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

A bilirribina é um produto de quebra da hemoglobina no sistema retículo-endotelial.

É conjugada no fígado para, a seguir, ser excretada na bile.

O teste é útil para diagnóstico diferencial de doenças hepatobiliares e outras causas de icterícia.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Cálcio é um mineral essencial para a construção e manutenção dos ossos e dos dentes, além de ser muito importante para a contração muscular e transmissão dos impulsos nervosos.

A hipocalcemia é frequentemente detectada por exames de sangue rotineiros, antes de os sintomas se tornarem óbvios.

Os médicos medem o nível de cálcio total (que inclui cálcio ligado a albumina) e o nível de albumina no sangue para determinarem se o nível de cálcio não ligado está baixo.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Creatinina é uma substância derivada do metabolismo da creatina, uma proteína que está presente nos músculos, e é produzida no organismo de acordo com o nível de massa muscular. Por isso, é normal os homens terem maiores níveis de creatinina no sangue do que as mulheres.

Taxa elevada no sangue é um dos indicadores de insuficiência renal.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O exame de uréia é um dos exames de sangue solicitados pelo médico que tem como objetivo verificar a quantidade de uréia no sangue para saber funcionalidade dos rins e fígado.

Sua concentração pode variar com a dieta e hidratação.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

É uma das 3 formas em que a enzima CK (creatinoquinase) é encontrada no sangue: CKMM, CKBB e CKMB. A isoenzima MB é um marcador utilizado na prática médica para o diagnóstico de infarto agudo do miocárdio (IAM) e miocardites, pois está presente principalmente no músculo cardíaco.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

É um íon carregado negativamente proeminente do sangue, onde representa 70% do índice total do íon negativo do corpo.

O cloreto serve como um dos principais eletrólitos do corpo. Juntamente com potássio e sódio, auxilia na condução de impulsos elétricos quando dissolvido na água corporal.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O colesterol é sintetizado de modo permanente em todo o organismo e é um componente essencial das membranas das células e lipoproteínas, além de ser um precursor para a síntese de hormônios esteróides e ácidos biliares.

O colesterol é, sobretudo, transportado em duas classes de lipoproteínas (LDL e HDL), as quais desempenham um papel contraditório na patogênese das perturbações lipídicas. É o principal lipídeo associado à doença vascular aterosclerótica.

Suas demais frações/; ( triglicérides , VLDL)

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 12hs.

O cortisol é o principal hormônio glicocorticóide secretado pelo córtex adrenal.

Suas funções fisiológicas incluem a regulação do metabolismo de carboidrato e distribuição de água e eletrólitos.

O cortisol também tem atividade imunossupressora e antiinflamatória. O cortisol é freqüentemente medido em conjunto com testes de função dinâmica.

Níveis elevados de cortisol estão associados a tumores adrenais, tumores pituitários ou tumores ectópicos que produzem ACTH. Concentrações subnormais de cortisol podem indicar hipofunção generalizada da adrenal ou um defeito no trajeto metabólico para biossíntese de cortisol.

Tempo de jejum: Jejum aconselhável de 4hs.

Em jejum, os níveis de açúcar no sangue são controlados pelo fígado, que garante a sua manutenção dentro dos limites exatos.

Essa forma rápida e precisa de controlar a glicose não contrasta com o aumento rápido do açúcar no sangue, que ocorre durante a ingestão de carboidratos. A queda de glicose no sangue para um nível crítico (aproximadamente 2,5 mM) conduz a disfunção do sistema nervoso central. Tal se manifesta num estado de hipoglicemia, caracterizado por fraqueza muscular, problemas de coordenação e confusão mental.

Uma nova redução nos níveis de glicose no sangue conduz à coma hipoglicêmico.

Concentrações de glicose no sangue revelam flutuações intra-individuais dependentes da atividade muscular e do intervalo de tempo desde a ingestão de alimentos.

Tempo de jejum: Obrigatório jejum de 8hs.

Esse exame é feito a partir da análise da concentração de glicose no sangue em jejum e depois da ingestão de um líquido açucarado fornecido pelo laboratório. Assim, o médico pode avaliar como o organismo funciona frente a elevadas concentrações de glicose.

O TOTG é um exame importante durante a gestação, sendo incluído na lista de exames pré-natais, pois a diabetes gestacional pode representar risco tanto para a mãe quanto para o bebê.

Tempo de jejum: Obrigatório jejum de 8hs.

Fator reumatóide (FR) são autoanticorpos dirigidos contra a porção Fc da IgG humana que foi alterada na sua estrutura terciária, que também reagem com a IgG animal.

Os FR pertencem, predominantemente, à classe da IgM mas também ocorrem em todas as outras classes de imunoglobulinas.

A detecção de fatores reumatóides constitui um dos fatores para o diagnóstico da artrite reumatóide.

Os FR assumem um papel importante no diagnóstico diferencial entre a artrite reumatóide e as outras doenças reumáticas e permitem, além disso, enunciados diagnósticos sem relação à artrite reumatóide.

Frequentemente, elevadas concentrações estão associadas a uma evolução mais severa da doença. Mas também existem tipos de artrite reumatóide soronegativa sem FR detectáveis e os FR podem ocorrer em conexão com outras doenças reumáticas e não reumáticas tais como a hepatite, a endocardite, e as infecções parasitárias ou virais.

Com o aumento da idade, aumenta também a percentagem de diagnósticos positivos de FR, sem os correspondentes sintomas da doença.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

A ferritina é uma proteína de alto peso molecular que contém ferro e que atua no organismo como um composto armazenador de ferro.

Foi demonstrado que a molécula de ferritina, quando está completamente saturada, pode conter mais de 20% de seu peso em ferro.

Aproximadamente 25% do ferro no adulto normal está presente em várias formas de armazenamento.

Cerca de 2/3 das reservas de ferro no corpo humano encontram-se na forma de ferritina.

Os depósitos de ferro restantes encontram-se na forma de hemosiderina insolúvel, a qual representa provavelmente uma forma de ferritina desnaturada.

A literatura recente sugere que a ferritina proporciona determinações mais sensíveis, específicas e confiáveis para determinar uma deficiência de ferro nos estágios iniciais.

As determinações de ferritina sérica têm demonstrado ser úteis no controle da recuperação dos depósitos férricos em pacientes, nos quais se administra ferro oralmente, e para determinar quando se pode interromper a terapia.

Nos distúrbios inflamatórios crônicos, nas infecções, na doença neoplásica e na insuficiência renal crônica, observa-se um aumento desproporcional dos níveis de ferritina sérica em relação aos depósitos férricos.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O ferro participa numa variedade de processos vitais no organismo, desde os mecanismos de oxidação celular ao transporte e alimentação de oxigênio para as células do organismo.

É um elemento constituinte das cromoproteínas transportadoras do oxigênio, hemoglobina e mioglobina, bem como de várias enzimas, nomeadamente citocromo oxidase e peroxidases.

O restante de ferro no organismo está presente nas flavoproteínas, nas proteínas enxofre-ferro, bem como no armazenamento de ferro-ferritina e no transporte de ferro-transferrina.

A concentração medida de ferro no soro é principalmente a aglutinação de Fe (III) com transferrina de soro e não inclui o ferro existente no soro como hemoglobina livre.

A concentração de ferro no soro é reduzida em grande parte dos indivíduos com anemia por insuficiência de ferro, mas não em todos; em doenças inflamatórias agudas ou crônicas, nomeadamente infecção aguda, imunização e enfarte do miocárdio; hemorragia aguda ou recente; doença maligna;gravidez tardia; menstruação e nefrose.

A concentração de ferro no soro diminui acentuadamente em doentes que estejam a iniciar reação a uma terapia específica para anemias ou outras causas, por exemplo: tratamento de anemia perniciosa com Vitamina B12.

Concentrações superiores às normais de ferro no soro ocorrem em doenças por sobrecarga de ferro, nomeadamente hemocromatose e no envenenamento agudo por ferro após administração de ferro por via oral ou parenteral.

Os níveis de ferro também podem ser elevados no caso de hepatite aguda, envenenamento por chumbo, leucemia aguda, talassemia ou contracepção oral.

Tempo de jejum: Obrigatório jejum de 8 horas coletadas logo pela manhã.

A fosfatase alcalina encontra-se em quase todos os tecidos do organismo, mais concretamente nas membranas celulares.

Apresenta-se, sobretudo em elevados níveis no epitélio intersticial, túbulos renais, ossos (osteoblastos), fígado e placenta.

A causa mais comum de fosfatase alcalina elevada é a doença hepatobiliar.

Também podem ser encontrados níveis elevados em doenças primárias dos ossos, nomeadamente osteomalacia, osteogenese imperfeita, intoxicação por vitamina D e tumores ósseos primários, metástases esqueléticas e em doenças como o mieloma múltiplo, acromegalia, insuficiência renal, hipertiroidismo, ossificação ectópica, sarcoidose, tuberculose óssea e fraturas em processo de consolidação, hiperparatiroidismo, osteopenia ou osteoporose.

São detectados níveis reduzidos em hipofosfatasia familiar, hipoparatiroidismo, acondroplasia, doença óssea dinâmica em doentes em diálise, nanismo pituitário,doença crônica por radiação e má nutrição.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

As concentrações de fosfato no soro dependem da dieta e da variação na secreção de hormônios tais como o PTH.

O fosfato intracelular ocorre, sobretudo sob a forma de fosfato orgânico, contudo, existe uma pequena, mas extremamente importante fração sob a forma de fosfato inorgânico que, por se tratar de um substrato para fosforilação oxidativa, participa de reações relacionadas com a produção de energia metabólica.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

O GGT aumenta acentuadamente nos casos de obstrução biliar intra-hepática ou pós-hepática. É mais sensível que a fosfatase alcalina na detecção de icterícia obstrutiva, colangite e colecistite, e a sua elevação ocorre mais cedo e persiste durante mais tempo.

O GGT aumenta em doentes com hepatite infecciosa, fígado gorduroso, pancreatite aguda e crônica e doentes medicados com drogas anticonvulsivas, nomeadamente fenitoina e fenobarbital.

Como os níveis elevados de GGT são registrados em doentes com cirrose alcoólica e na maioria dos soros de indivíduos que consumam grandes quantidades de álcool, o GGT desempenha um papel na detecção do alcoolismo, lesões do fígado provocadas pelo álcool e na monitorização de abstinência do álcool.

A enzima é também útil numa proporção com o colesterol HDL em casos de alcoolismo, fosfatase alcalina em casos de doença dofígado provocada pelo álcool e aspartato aminotransferase para isolar a hepatite do recém-nascido da atresia biliar.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

Esse exame mede a quantidade de insulina no sangue.

A insulina é um hormônio produzido e armazenado nas células beta do pâncreas.

É vital para transporte e armazenamento da glicose nas células, regula o nível sanguíneo de glicose e controla o metabolismo de lipídios.

Quando os níveis sanguíneos de glicose se elevam após uma refeição, a insulina é liberada permitindo que a glicose entre nas células, em especial musculares e adiposas (de gordura), onde é usada para a produção de energia.

A insulina comanda o armazenamento da glicose em excesso no fígado como glicogênio, para uso a curto prazo, e no tecido adiposo, como ácidos graxos.

Os ácidos graxos são usados para a síntese de triglicerídeos, uma forma mais concentrada de reserva de energia para uso a longo prazo. Sem a insulina, a glicose não atinge a maioria das células do corpo.

As células ficam sem fonte de energia e os níveis sanguíneos de glicose se elevam. Isso causa alterações do metabolismo que resultam em diversos distúrbios, incluindo doença renal, doença cardiovascular e problemas neurológicos e visuais.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 8hs.

O lítio é utilizado no tratamento da doença bipolar (maníacodepressiva).

As medições de lítio são utilizadas para monitorizar a terapêutica e o nível de conformidade do doente em relação à mesma, e para diagnosticar uma possível superdosagem.

Entre os sintomas da intoxicação por lítio inclui-se a apatia, sonolência, fraqueza muscular e ataxia.

Tempo de jejum: Obrigatório jejum 8hs.

O magnésio é um fator essencial em diversas reações enzimáticas importantes, quer como parte integrante de uma metaloenzima quer como um ativador, e desempenha um papel importante na glicólise, respiração celular e transporte de cálcio transmembrana.

O magnésio é regulado sobretudo pela velocidade da excreção renal de magnésio a qual, juntamente com o cálcio, está sujeita aos efeitos do hormônio da paratiróide. Assim, o aumento da reabsorção de cálcio conduz à inibição competitiva da absorção de magnésio.

As medições de magnésio são utilizadas no diagnóstico e tratamento da hipomagnesemia (anormalmente baixa) e hipermagnesemia (anormalmente elevada).

A manifestação mais bem definida da deficiência de magnésio consiste na diminuição da função neuromuscular; por exemplo, hiperirritabilidade, tetania, convulsões e alterações electrocardiográficas.

A hipomagnesemia é observada em casos de diabetes, alcoolismo crônico, diurese forçada, hipertiroidismo, hipoparatiroidismo, hipocalcemia, má absorção e pancreatite aguda

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

O manganês é amplamente encontrado na natureza.

A inalação do metal pode provocar irritação, infecções do trato respiratório e pneumonite.

Os fumos de óxido de manganês podem levar ao quadro de "febre dos metais".

A monitoração do manganês no sangue e na urina auxilia a confirmação da exposição ao metal, mas não se correlaciona com exposição passada ou intoxicação crônica pelo metal.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

O Mercúrio é um metal com alta toxicidade.

Pode causar toxicidade sistêmica ou lesão de pele ou mucosas.

Concentrações normais de mercúrio no sangue total, em indivíduos não expostos ocupacionalmente, são geralmente inferiores a 1mcg/dl.

Indivíduos normais, que têm exposição ocupacional leve podem apresentar rotineiramente níveis acima de 1,5 mcg/dl.

Da mesma forma, uma dieta rica em peixes, frutos do mar e outros alimentos contendo mercúrio é causa comum de mercúrio moderadamente elevado na ausência de sintomas clínicos.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

Preparo para coleta, medicina do trabalho: A coleta é realizada no fim do dia de trabalho após o período de exposição.

O potássio é um cátion intracelular de importante função no organismo.

Basicamente atua na regulação de alguns processos metabólicos celulares e, principalmente, na excitação neuromuscular, através da relação potássio intra e extracelular, o que determina o potencial de membrana (necessários para as funções neural e muscular).

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

O sódio tem importante função para a osmolalidade do plasma e excitabilidade neuromuscular.

A concentração de sódio depende de diferentes fatores, como: ingestão e excreção de água e da capacidade renal de excretar o sódio.

É importante na avaliação dos distúrbios hidroeletrolíticos.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

A PCR pertence ao grupo de proteínas de fase aguda, cujas concentrações de soro ou plasma aumentam no decurso de uma resposta geral, não específica aos processos inflamatórios infecciosos e não infecciosos.

É formada pelo fígado e, normalmente, está presente nos soros e plasmas normais sob a forma de oligoproteína.

Vários quadros clínicos resultantes de lesões de tecidos, infecções ou inflamações podem originar valores elevados de PCR entre 20 a 500 mg/l, num período de tempo de quatro a oito horas após um incidente agudo.

Uma vez que valores elevados de PCR estão sempre associados a alterações patológicas, a determinação da PCR possui um elevado valor informativo para o diagnóstico, terapia e monitorização da evolução de processos inflamatórios e das doenças a eles associadas.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

A aspartato aminotransferase (AST) ocorre numa vasta variedade de tecidos, entre os quais se incluem o fígado, músculo cardíaco, sistema musculoesquelético, cérebro, rins, pulmões, pâncreas, eritrócitos e leucócitos, com as mais elevadas atividades detectadas no fígado e no sistema musculoesquelético.

A medição de AST encontra-se indicada no diagnóstico, diferenciação e monitoramento de doença hepatobiliar, enfarte do miocárdio e lesão musculoesquelética.

A medida de AST também pode ser executada como parte de exames de investigação clínica.

Em determinados casos, a AST pode ser útil no monitoramento da evolução do enfarte do miocárdio.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O ALT é um aminotransferase que consiste num grupo de enzimas que catalisam a transformação reversível de ácidos a-keto em aminoácidos pela transferência de grupos aminos.

Visto a atividade específica do ALT no fígado ser aproximadamente 10 vezes a do coração e do sistema musculoesquelético, a atividade elevada de ALT no soro é considerada um indicador da doença parênquimal do fígado.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

As medições de triglicerídeos são utilizadas para o diagnóstico e tratamento de doentes com pancreatite aguda e crônica, diabetes mellitus, nefrose, obstrução biliar extra hepática e outras doenças que envolvem o metabolismo dos lipídeos ou outras desordens endócrinas.

Clinicamente, os ensaios de triglicerídeos são utilizados para classificar as várias desordens lipoproteicas genéticas e metabólicas, e na avaliação dos fatores de risco para a arteriosclerose e doença da artéria coronária.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 12hs e abstinência alcoólica nas ultimas 72hs que antecedem o teste.

As determinações da troponina I cardíaca ajudam no diagnóstico de infarto agudo do miocárdio e na estratificação do risco em doentes com síndromes coronárias agudas sem elevação do segmento ST com respeito ao risco relativo de mortalidade, infarto do miocárdio (IM) ou robabilidade acrescida de eventos isquêmicos que exijam procedimentos urgentes de revascularização.

A troponina cardíaca é o biomarcador preferido para a detecção do dano miocárdico baseado na sensibilidade melhorada e na especificidade tecidual superior comparado a outros biomarcadores disponíveis de necrose, incluindo CK-MB, mioglobina, lactato desidrogenase e outros.

A alta especificidade tecidual da troponina cardíaca, entretanto, não deve ser confundida com a especificidade para o mecanismo de dano (por exemplo, IM vs. miocardite).

Quando se deparar com um valor aumentado para a troponina cardíaca na ausência de evidência de isquemia do miocárdio, uma pesquisa cuidadosa de outras possíveis etiologias para injúria cardíaca deve ser tomada.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O zinco sérico é um oligoelemento essencial, amplamente encontrado na natureza e o segundo metal mais abundante no organismo, após o ferro.

A principal aplicação industrial é na galvanização de aço e outros metais.

A dosagem deste metal não é um indicador patológico de intoxicação ou deficiência desse metal. Inclusive podem se apresentar em níveis séricos normais mesmo em quadros de intoxicação.

Porém a deficiência de zinco no organismo pode estar associada a má absorção devido a algumas patologias instaladas no paciente.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Citologia

O exame de citologia oncótica conhecido também por exame preventivo do colo do útero, papanicolau ou PapTest, é, no Brasil, a principal estratégia escolhida para o rastreamento precoce do câncer de colo de útero e doenças sexualmente transmissíveis.

Tempo de jejum: Não é necessário

Espermograma

A morfologia estrita de Kruger é um tipo de análise da qualidade dos espermatozoides produzidos pelos testículos do homem que leva em consideração a forma dos gametas. É um critério específico de avaliação da infertilidade masculina causada por alterações nos espermatozoides.

Instruções:

  • Fazer abstinência sexual de 2 a 7 dias
  • Não fazer a coleta após relação sexual
  • Preferencialmente, deve-se urinar antes de realizar a coleta. Lavar as mãos e o pênis
  • Coletar todo o conteúdo ejaculado em um frasco fornecido pelo laboratório, não deixar perder nenhuma quantidade. O frasco deve ser bem fechado após a coleta.
  • A coleta do material poderá ser realizada no laboratório ou em casa. Se coletado em casa, manter o frasco em temperatura ambiente e trazer ao laboratório em no máximo 30 minutos.
  • A entrega do material, ou a coleta no laboratório deve ser realizada de 9:00 as 12:00 horas da manhã, de segunda a quinta-feira; observações: Entrega ou coleta apenas na unidade Matriz.

Genética

Durante a gestação, uma pequena quantidade de células fetais podem atravessar a barreira placentária alcançando a corrente sanguínea da gestante.

Baseado neste princípio, o teste de Sexagem fetal utiliza como material biológico amostra de sangue periférico materno para a determinação do gênero do feto.

O teste não é recomendado para fins de diagnóstico de síndromes ligadas ao cromossomos sexuais.

É um teste não-invasivo, possui índices de acerto superior a 99% quando coletado após a oitava semana de gestação.

Por outro lado, em alguns casos o resultado pode ser inconclusivo.
Isso pode ocorrer devido a limitações técnicas ou possíveis interferentes na amostra. Neste caso, será necessária uma nova coleta após o período de 15 dias para repetição do teste na nova amostra.

Alguns medicamentos como anticoagulantes à base de heparina* podem inibir o teste, levando também a resultados inconclusivos.

*Jamais suspender o uso do medicamento sem consentimento do médico para a realização deste teste.
Resultados

Reportáveis:
Sexo Feminino
Sexo Masculino

Inconclusivo: Não foi possível determinar o sexo fetal

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório

Com os perfis genéticos obtidos para cada indivíduo, são calculados o Índice de Paternidade (IP) e a Probabilidade de Paternidade (PP) de acordo com a frequência alélica encontrada na população brasileira (Aguiar et al, 2013; Raimann et al, 2012), assumindo-se uma probabilidade de paternidade a priori e 0,5.

O IP indica as possibilidades de o filho requerente ser filho biológico do suposto pai contra a possibilidade de não ser.

Já a PP representa a probabilidade, em porcentagem, do suposto pai testado ser o verdadeiro pai do filho requerente.

A análise de cada caso é dependente das informações fornecidas pelos envolvidos no momento da coleta do material biológico.

Este teste visa a identificação do vínculo genético de filiação entre o (a) filho(a) requerente e o suposto pai, a partir das amostras biológicas do filho requerente, mãe biológica do requerente e suposto pai.

O exame baseia-se na investigação de informações em regiões cromossômicas altamente polimórficas denominadas STR´s (short tandem repeats).

São analisados 22 marcadores STR autossômicos e 2 marcadores STR para a identificação do sexo dos periciandos (amelogenina e o DS391 do cromossomo Y).

O laudo traz todas as informações referentes à coleta (local, data e responsável pela coleta e identificação), informações técnicas e cálculo do índice de paternidade.

No resultado e conclusão são evidenciados os alelos obtidos e a probabilidade do suposto pai ser o pai biológico do filho testado.

Cariótipo é o exame que permite o estudo dos cromossomos humanos.

Tem o objetivo de identificar alterações cromossômicas numéricas e estruturais.

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório

Questionário: Preenchimento obrigatório

Hormônio

Tanto os homens como as mulheres produzem níveis baixos de progesterona, um hormônio esteróide do córtex da supra-renal.

A progesterona é importante, não apenas como hormônio, mas também como precursor dos estrógenos, dos andrógenos e dos esteróides adrenocorticais.

Nas mulheres, durante a fase folicular do ciclo menstrual, os níveis séricos permanecem baixos. Após a ovulação ocorre um aumento significativo nos níveis séricos quando o corpo lúteo começa a produzir progesterona em quantidades crescentes, causando modificações no útero e preparando-o para a implantação de um óvulo fertilizado.

Se ocorrer a implantação, o trofoblasto começa a secretar HCG (gonadotrofina cariônica humana), que mantém o corpo lúteo e a secreção de progesterona. Por volta do fim do terceiro trimestre a placenta torna-se o principal secretor e os níveis séricos continuam a aumentar. Se não ocorrer a implantação, o corpo lúteo degenera e os níveis de progesterona na circulação diminuem rapidamente, alcançando os níveis da fase folicular cerca de 4 dias antes do período menstrual seguinte.

Em geral, o aumento dos níveis de progesterona indica a presença de gravidez, enquanto níveis baixos de progesterona necessitam de ecografia para confirmar a gestação.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O antígeno prostático específico (PSA) é uma glicoproteína de cadeia única normalmente encontrada no citoplasma das células epiteliais que revestem os ácinos e os ductos da glândula prostática.

O PSA é detectado no soro de homens com tecido prostático normal, hipertrófico benigno e maligno.

O PSA é também útil na determinação de possível recorrência após terapia quando utilizado juntamente com outros índices diagnósticos.

A medição de níveis de PSA sérico não é recomendada como procedimento de triagem para o diagnóstico do câncer porque níveis elevados de PSA também são observados em pacientes com hipertrofia prostática benigna. Entretanto, alguns estudos sugerem que a medição do PSA juntamente com o exame de toque retal e a ultra cenografia constituem um método de detecção do câncer de próstata melhor que o exame de toque retal isoladamente.

Os níveis de PSA aumentam em homens com câncer de próstata e geralmente caem para a faixa não detectável após uma prostatectomia radical.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 8hs.

Instruções de coleta:

  • É necessário abstinência sexual de 2 a 3 dias.
  • Não ter praticado exercício físico como: andar de bicicleta, andar de motocicleta, andar a cavalo, jogar bola, correr ou carregar peso nos últimos 2 dias.
  • Não ter realizado exame de toque retal, uso de sonda uretral ou supositório nos últimos 3 dias.
  • Não ter realizado ultrassonografia transretal nos últimos 7 dias.
  • Não ter realizado colonoscopia ou retossigmoidoscopia nos últimos 15 dias.
  • Não ter realizado cistoscopia nos últimos 5 dias.
  • Não ter realizado estudo urodinâmico nos últimos 21 dias.
  • Não ter realizado biópsia de próstata nos últimos 30 dias.
  • Obs: Para homens que já tenham realizado prostatectomia total (retirada da próstata) o preparo não é necessário, exceto jejum.

O eixo hipotálamo-hipófise-tireóide regula a síntese, liberação e ação do hormônio tiroidiano.

O hormônio liberador de tireotrofina (TRH), segregado pelo hipotálamo, estimula a síntese e liberação de tireotrofina (TSH).

Por sua vez, o TSH estimula a síntese, armazenamento, secreção e metabolismo da tiroxina (T4) e da triiodotironina (T3).

O sangue contém T3 e T4, seja na forma livre, seja na forma ligada. Mais de 99% de T4 e T3 circulam na corrente sanguínea ligados a proteínas de transporte, enquanto menos de 1% permanece livre; na maioria dos casos, esta quantidade de hormônio não ligado ou livre é indício do estado de funcionalidade tiroidiana. O T4 e o T3 livres regulam o crescimento normal e o desenvolvimento do organismo, mantendo a temperatura corpórea.

Preparatório: Aconselhável jejum de 4hs.

A gonadotrofina coriônica humana (hCG) é uma glicoproteína com duas subunidades ligadas de forma não-covalente.

A subunidade alfa é similar à do hormônio luteinizante (LH), hormônio folículo-estimulante (FSH), e hormônio estimulador da tireóide (TSH).

A subunidade beta do hCG difere de outros hormônios glicoprotéicos da hipófise, sendo responsável por suas propriedades bioquímicas e imunológicas distintas.

O hCG é sintetizado pelas células da placenta e está envolvido na manutenção do corpo lúteo durante a gestação.

Ele já pode ser detectado uma semana após a concepção. Durante a gravidez, os níveis de hCG aumentam exponencialmente por volta de 8 a 10 semanas após o último ciclo menstrual.

Por volta de 12 semanas após a concepção, a concentração de hCG começa a cair à medida que a placenta inicia a produção de hormônios esteróides.

Outros fatores responsáveis por valores elevados de hCG são gravidez ectópica, ameaça de aborto e aborto recente.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

A dosagem de hGH é principalmente de interesse no diagnóstico do tratamento de várias formas de secreção inapropriada de hormônio do crescimento.

As desordens clínicas de hiposecreção incluem nanismo e crescimento potencial não obtido. A hipersecreção é associada com gigantismo e acromegalia. Deve-se ter cuidado na interpretação clínica dos níveis de hormônio do crescimento. Estes variam durante todo o dia, dificultando a definição de uma faixa de referência ou a avaliação do estado de um indivíduo baseado em uma única determinação.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Nas mulheres, o FSH estimula o crescimento folicular e, juntamente com o LH, estimula a secreção de estrógenos e a ovulação.

Após a ovulação, acredita-se que o FSH e o LH sejam responsáveis pela transformação do folículo rompido em corpo lúteo e influenciam a secreção da progesterona.

A FSH humana é segregada pelas células gonadotrópicas do lobo anterior da hipófise em resposta ao hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) secretado pelo hipotálamo médio basal.

Tanto o FSH quanto o LH são secretados de forma pulsátil; contudo, isso é menos evidente no FSH, talvez por causa da sua meia-vida mais prolongada na circulação. Os níveis de FSH em circulação variam em resposta ao estradiol e à progesterona.

Em um ciclo menstrual normal, um ligeiro pico de FSH é observado por volta do fim da fase lútea (provavelmente desencadeado por uma queda no estradiol e na progesterona que eliminou o efeito de feedback negativo). Isto dá início ao crescimento e à maturação dos folículos ovarianos. Em seguida, os níveis da FSH caem e permanecem baixos por toda a fase folicular (devido ao feedback negativo do estradiol e da progesterona produzidos pelo folículo em desenvolvimento).

Na metade do ciclo, a GnRH gera um aumento nos níveis de FSH. A função deste pico de FSH na metade do ciclo é desconhecida.

Após este aumento, o FSH é inibido durante a fase lútea pelo feedback negativo do estradiol.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Hematologia

O hemograma corresponde a um conjunto de testes laboratoriais que estabelece os aspectos quantitativos e qualitativos dos eritrocitos (eritrograma), dos leucocitos (leucograma) e das plaquetas (plaquetograma).

O hemograma auxilia na elucidação do estado geral da saúde como, por exemplo, casos de anemias, inflamações, infecções, hematomas, hemorragias, leucemias, síndromes (doenças hereditárias) bem como, acompanhamento em tratamentos.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs

O dímero D é um produto da degradação da fibrina, podendo estar elevado na presença de trombos, mas também em outras situações, como no pós-operatório, na gestação, no puerpério, na doença vascular periférica, no câncer, na insuficiência renal, na sepse e em várias doenças inflamatórias, assim como aumenta com a idade, o que limita sua utilidade clínica.

Tem alta sensibilidade, mas a sua especificidade é baixa; portanto, deve ser analisado com cautela, em conjunto com a avaliação de probabilidade clínica.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O fibrinogênio é uma glicoproteína que converte-se em fibrina pela ação da trombina.

Os níveis altos de fibrinogênio estão relacionados com tromboses, independente se arterial ou venosa. Existem dois tipos de alterações hereditárias: afibrinogenemia e disfibrinogenemia.

A primeira trata-se de uma doença rara, herdada com caráter autossômico recessivo.

A clínica varia em hemorragias que podem ser de intensidade leve a grave.

Já nas hipofibrinogenemias geralmente apresenta manifestações clínicas quando associadas a trauma ou quando a concentrações baixas de fibrinogênio.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

No sistema ABO existem quatro tipos de sangues: A, B, AB e O.


Esses tipos são caracterizados pela presença ou não de certas substâncias na membrana das hemácias, os aglutinogênios, e pela presença ou ausência de outras substâncias, as aglutininas, no plasma sanguíneo.

Existem dois tipos de aglutinogênio, A e B, e dois tipos de aglutinina, anti-A e anti-B.

Pessoas do grupo A possuem aglutinogênio A, nas hemácias e aglutinina anti-B no plasma; as do grupo B têm aglutinogênio B nas hemácias e aglutinina anti-A no plasma; pessoas do grupo AB têm aglutinogênios A e B nas hemácias e nenhuma aglutinina no plasma; e pessoas do grupo O não tem aglutinogênios nas hemácias, mas possuem as duas aglutininas, anti-A e anti-B, no plasma.

As aglutinações que caracterizam as incompatibilidades sanguíneas do sistema acontecem quando uma pessoa possuidora de determinada aglutinina recebe sangue com o aglutinogênio correspondente.

O grupo sanguíneo Rh é assim conhecido pelo fato do antígeno Rh ter sido identificado primeiramente através de pesquisas no sangue de um macaco Rhesus.

A condição essencial para que ocorra eritroblastose fetal é que o pai seja Rh+ e a mãe Rh-, logo o feto será Rh+, uma vez que cumpre as leis da hereditariedade, sendo que o fator Rh positivo é um fator dominante sobre o Rh negativo.

Uma vez que a mulher Rh- e entra em contato como o sangue do feto e este é Rh+ produzirá anticorpos contra o sangue do bebê, na maioria das vezes na primeira gestação passará despecebido podem em uma próxima gestação de outro bebê Rh+ poderá provocar desde o aborto até a eritroblatose fetal. O fator Rh é essencial importância em bancos de sangue para as transfussões sanguíneas.

Quando se realiza uma transfusão de sangue, tem que verificar se o receptor é Rh-, se for, só poderá receber sangue Rh-, pois se ele receber Rh+ pode causar uma reação em seu sistema imunológico, causando hemólise. Porém se o paciente for Rh+, ele pode receber o sangue Rh-, ou seja, se o sangue for Rh+, poderá receber Rh+ e Rh-.

Preparatório: Aconselhável jejum de 4hs.

O VHS tem sido empregado no diagnóstico de ampla variedade de condições clínicas, na avaliação da gravidade de doenças e como um índice geral de saúde quando seus valores estão dentro da faixa de normalidade.

É um teste inespecífico no processo inflamatório, infeccioso ou neoplásico, servindo também para monitoramento de sua intensidade e, considerando-se as limitações, da resposta à terapêutica.

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório.

O leucograma engloba os vários tipos de células nucleadas comumente circulantes: granulócitos (principalmente neutrófilos maduros, basófilos e eosinófilos), linfócitos e monócitos.

Alguns diagnósticos diferenciais estão comumente associados com determinadas alterações no leucograma, como por exemplo, infecção/inflamação com neutrofilia, reações alérgicas e infecções parasitárias com eosinofilia.

Além disso, os aumentos podem ser resultantes de um processo benigno (por exemplo, infecção) ou maligno (por exemplo, leucemia). Ocasionalmente plasmócitos podem
ser encontrados no sangue periférico.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 3hs.

Reticulócitos são células imaturas que perdem seu RNA aproximadamente um dia depois de deixarem a medula óssea para chegar ao sangue; sua contagem fornece estimativa da taxa de produção de eritrócitos.

Uma contagem diminuída de reticulócitos indica uma medula hipoproliferativa.

Uma contagem elevada de reticulócitos mostra uma recuperação medular após terapia para anemia ferropriva ou anemia perniciosa, também indica resposta medular as anemias hemolíticas e perda de sangue.

Tempo de jejumAconselhável  jejum de 3hs.

As plaquetas são fragmentos de células produzidas na medula óssea fundamentais para o processo de coagulação sanguínea.

Sua análise baseia-se na avaliação quantitativa e morfológica das plaquetas.

Exame útil na avaliação da hemostasia, monitoramento do tratamento de leucemias e púrpuras, acompanhamento de tromboses e trombocitopenias.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Utilizado na avaliação quantitativa e qualitativa da série vermelha, analisando os parâmetros: CHCM, ERITRÓCITOS, HCM, HEMATOCRITO, HEMOGLOBINA RDW e VCM auxiliando no diagnóstico e acompanhamento de anemias e policitemias.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

A coagulação do sangue é um processo extremamente importante para nossa saúde, uma vez que evita a perda excessiva de sangue por hemorragias.

Quando ocorre qualquer tipo de lesão que gera extravasamento de sangue, logo se inicia a coagulação, que se baseia em mudanças físicas e químicas do sangue, com envolvimento de vários fatores.

Ela ocorre graças a uma série de reações que acontece entre proteínas chamadas de fatores de coagulação. Normalmente esses fatores são representados por algarismos romanos, e a forma ativada é indicada por uma letra “a” que aparece logo após o algarismo.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O TP ( Tempo de Protrombina) mede a via extrínseca da coagulação, prolongando-se nas deficiências seletivas ou conjuntas dos fatores II, V, VIII e X.

Como os quatro fatores são sintetizados no fígado e três dos fatores são vitamina K dependentes (II, VIII e X), o TAP também é utilizado para o monitoramento da terapia de aconticoagulantes orais, doenças hepáticas, deficiência de vitamina K, entre outras patologias.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O Tempo de Tromboplastina Parcial Ativo (TTPA) mede a via intrínseca da coagulação.

É indicado nos casos de suspeita de deficiência de fatores da via intrínseca, antes de intervenções cirúrgicas, controle de terapêutica de anticoagulantes.

Os fatores envolvidos na via intrínseca de coagulação são: fator XII, XI, IX e VIII.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

Hemoglobina Glicada ou Glicosilada, também abreviada como HbA1c e até A1c, é uma hemoglobina presente nos eritrócitos humanos que é útil na identificação de altos níveis de glicemia durante períodos prolongados.

Este tipo de hemoglobina é formada a partir de reações não enzimáticas entre a hemoglobina e a glicose.

O exame de hemoglobina glicada é o mais importante na avaliação do controle do diabetes.

Ele resume, para o médico e para o paciente, como a doença esteve controlada nos últimos 60 a 90 dias permitindo uma avaliação fiel deste período.

Durante os 90 dias de sua vida, a hemoglobina (hemácia ou glóbulo vermelho) vai incorporando glicose, em função da concentração que existe no sangue.

Se as taxas de glicose estiverem altas (ou baixas) durante esse período, haverá propocionalmente um aumento ou diminuição das taxas de hemoglobina glicada.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum 4hs.

Imunologia

O teste permite a identificação de anticorpos anti eritrocitários no soro do paciente, e tem a importância na avaliação de gestantes com sorotipo Rh (-), nas fases pré e pós transfusionais, especialmente em pacientes que já passaram por transfusões, onde pode ter ocorrido sensibilização para Rh e outros sistemas.

O teste identifica diferentes anticorpos, de acordo com a fase do teste que apresentou positividade.

A ocorrência de aglutinação durante qualquer etapa do teste indica a possibilidade da presença de anticorpos irregulares.

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório.

O vírus da dengue é transmitido através dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, sendo largamente distribuídos em todas as áreas tropicais e subtropicais do mundo.

A dengue é considerada a mais importante doença transmitida por artrópodes devido ao seu alto índice de morbidade e mortalidade.

A infecção primária está associada com febre, dores de cabeça, dores musculares e manchas pelo corpo.

De acordo com as orientações da Organização Pan-Americana da Saúde (PAHO), 80% dos casos de febre da Dengue desenvolvem anticorpos IgM até o quinto dia da doença, e em 93?99% dos casos a IgM é detectável até o sexto dia de manifestação dos sintomas, podendo permanecer detectável por mais de 90 dias.

Os anticorpos IgG são detectáveis a partir do final da primeira semana da doença e persistem por vários meses ou mesmo por toda a vida.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

A detecção do antígeno NS1 é recomendada para o diagnóstico precoce de dengue, esta é uma proteína presente durante a fase inicial da infecção, em altas concentrações no soro.

A amostra deve ser coletada de 1 a 7 dias após o aparecimento dos sintomas.

Um resultado negativo não exclui a infecção caso a amostra tenha sido coletada após essa data.

Neste caso, recomenda-se a determinação de anticorpos IgM e IgG para diagnóstico.

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório

A sífilis é uma doença infecciosa humana produzida por uma espiroqueta, o Treponema pallidum. Clinicamente, após um período de incubação que varia de 10 a 90 dias, pois é inversamente relacionado com a quantidade do inoculado, ocorre, em 85% dos pacientes, o surgimento de um cancro, que é uma lesão solitária e indolor, caracterizando a sífilis primária.

Aproximadamente 4 a 10 semanas após o aparecimento do cancro, surgem frequentemente sintomas como perda de peso, cefaléia, anorexia, mialgia, artralgia, mal-estar, febre baixa, linfadenopatia generalizada e exantema (presente em 75 a 100% dos casos), o que caracteriza a sífilis secundária.

Podem ocorrer também neste estágio manifestações de comprometimento do sistema nervoso central.

Após as manifestações primárias ou secundárias, ocorre o período conhecido como sífilis latente, caracterizado por testes sorológicos positivos e ausência de achados clínicos.

O VDRL é um teste de floculação, não-treponêmico, para diagnóstico da sífilis, através da pesquisa de anticorpos (reaginas) no soro.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O vírus da Hepatite A (HAV) é um vírus RNA da família Piconarviridae, sendo o homem como único hospedeiro.

O período de incubação varia de 15 a 45 dias.

A principal via de contágio do HAV é a fecal-oral, por contato inter-humano ou por meio de água e alimentos contaminados.

A transmissão parenteral é rara, mas pode ocorrer se o doador estiver na fase de viremia do período de incubação.

Na maioria dos casos, a hepatite A é assintomática e de caráter benigno. Normalmente, os pacientes mais velhos apresentam doença sintomática e de resolução mais lenta, podendo apresentar na fase aguda queixas de fadiga, dor ou desconforto abdominal, hiporexia, náuseas, vômitos, podendo ser observadas icterícia e/ou elevação das transaminases.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O agente causador da hepatite B é o vírus da Hepatite B (HBV). A transmissão do HBV se faz fundamentalmente através das vias parenteral e sexual.

Durante a infecção, o HBV produz o antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg), também conhecido como antígeno Austrália.

A presença de HBsAg indica que o indivíduo pode transmitir o vírus e sua persistência é um marcador de cronicidade.

O HBsAg pode ser detectado entre a primeira e a décima semana após a exposição ao vírus.

O HBsAg persiste durante a fase aguda e desaparece tardiamente no período de convalescência.

A persistência do HBsAg após 6 meses indica que o paciente é crônico.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O vírus da hepatite C (HCV) é um membro da família dos Flaviviridae e tem genoma com cadeia simples de RNA.

É uma das principais causas de doença hepática, sendo de difícil diagnóstico clínico, pois na grande maioria os pacientes são assintomáticos.

A infecção por HCV pode dar origem a hepatites agudas e crônicas.

Aproximadamente 70 a 85% das infecções progridem para doença crônica, que pode dar origem a cirrose e a carcinoma hepatocelular.

Os principais fatores de risco referentes a esta doença abrangem a transfusão de hemoderivados por doadores infectados, uso de drogas injetáveis, transplante de órgãos, hemodiálise, transmissão vertical, relação sexual e exposição ocupacional.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

O vírus da hepatite D ou delta é um dos menores vírus RNA animais.

Tão pequeno que é incapaz de produzir seu próprio envelope proteico e de infectar uma pessoa.

Para isso, ele precisa utilizar a proteína do vírus B.

Portanto, na grande maioria dos casos a hepatite D ocorre junto com a hepatite B, ambas com transmissão parenteral (sangue contaminado e sexual).

O vírus D normalmente inibe a replicação do B, o qual fica latente.

Na fase aguda da infecção, ocorre esteatose microvesicular e necrose granulomatosa eosinofílica por ação citotóxica direta do vírus.

Na fase aguda, a atividade necroinflamatória costuma ser severa.

Em pacientes já portadores do vírus B que apresentam infecção aguda pelo vírus D, pode ser severa com hepatite fulminante.

Ao contrário da Hepatite B, não apresenta manifestações extra-hepáticas.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

A hepatite E tem uma ocorrência rara no Brasil e é mais comum na Ásia e África.

Considerada uma doença infecciosa viral, transmitida por contágio fecal-oral, contato entre indivíduos ou por água ou alimentos contaminados pelo vírus.

Geralmente é assintomática, porém quando aparecem, cerca de 15 a 60 dias após a infecção, os mais freqüentes são tontura, enjoo, cansaço, dor abdominal, febre, icterícia em peles e olhos, urina escura e fezes claras.

A hepatite E não se torna crônica. Porém, mulheres grávidas que foram infectadas pelo vírus da hepatite E podem apresentar formas mais graves da doença.

Tempo de jejum: Aconselhável jejum de 4hs.

HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana.

Causador da aids, ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças.

As células mais atingidas são os linfócitos T CD4+. E é alterando o DNA dessa célula que o HIV faz cópias de si mesmo.

Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.

Ser portador do HIV não é a mesma coisa que ter aids. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas podem transmitir o vírus a outras pessoas pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação, quando não tomam as devidas medidas de prevenção.

Por isso, é sempre importante fazer o teste e se proteger em todas as situações.

Procedimento de coleta:

O paciente deverá comparecer ao laboratório com documento contendo foto e assinatura.

Tempo de jejum: Jejum não obrigatório.

Micologia

A visualização de hifas hialinas septadas é muito sugestiva de fungos dermatófitos quando trata-se de escamas de pele, sub-ungueais ou do couro cabeludo.

Os dermatófitos estão entre os patógenos mais comuns em doenças infecciosas da pele, cabelo e unhas.

Geralmente as micoses causadas por estes fungos são auto-limitadas. Entretanto o diagnóstico laboratorial torna-se importante em casos onde há falha de tratamento, ou cronicidade da doença e ainda para estabelecer o diagnóstico diferencial de outras doenças da pele.

Células leveduriformes também podem ser visualizadas, mas geralmente são contaminantes, a não ser em escamas sub-ungueais de pacientes muito expostos à umidade.

Instruções de coleta:

  • O paciente não deverá cortar unhas, ou qualquer procedimento na manicure ou pedicure em um período de 10 dias
  • Não usar esmaltes em um período de 3 dias antes da coleta.
  • Não tomar banho no dia da coleta
  • Não fazer uso de pomadas tópicas nas unhas ou pele contendo o fungos.
  • Não lavar couro cabeludo ou barba no dia da coleta.
  • O paciente deve ser orientado a tomar banho no dia anterior a coleta e secar bem as regiões da coleta, sem uso tópico de qualquer produto.
Fungos cultura:

 

Os dermatófitos estão entre os patógenos mais comuns em doenças infecciosas da pele, cabelo e unhas.

Geralmente as micoses causadas por estes fungos são autolimitadas. Entretanto o diagnóstico laboratorial torna-se importante em casos onde há falha de tratamento, ou cronicidade da doença e ainda para estabelecer o diagnóstico diferencial de outras doenças da pele.

Instruções de coleta:

  • O paciente não deverá cortar unhas, ou qualquer procedimento na manicure ou pedicure em um período de 10 dias
  • Não usar esmaltes em um período de 3 dias antes da coleta.
  • Não tomar banho no dia da coleta
  • Não fazer uso de pomadas tópicas nas unhas ou pele contendo o fungos.
  • Não lavar couro cabeludo ou barba no dia da coleta.
  • O paciente deve ser orientado a tomar banho no dia anterior a coleta e secar bem as regiões da coleta, sem uso tópico de qualquer produto.

Microbiologia

O exame bacterioscópico através da coloração de gram permite um estudo acurado das características morfotintoriais das bactérias e outros elementos (fungos, leucócitos, outros tipos celulares, etc).

Presta informações importantes e rápidas para o início da terapia de algumas infecções e estabelecendo o diagnóstico em muitos casos.

Instruções de coleta:

Urina: retenção urinária de 4 horas, e coletar em um frasco fornecido ao laboratório, entregando no máximo 1 hora após a coleta.

Secreção: Comparecer ao laboratório e solicitar avaliação do local de coleta do material e obter devidas instruções.

Antibiograma é um ensaio que mede a susceptibilidade/resistência de um microrganismo a um ou mais agentes antimicrobianos.

Seu objetivo é tanto a análise do espectro de sensibilidade/resistência a drogas, quanto a determinação da concentração mínima inibitória.

Instruções:

As coletas podem ser de materiais como:

  • Escarro, esperma, urina, líquor, e feridas em demais localidades.
  • O paciente deverá comparecer em uma de nossas unidades para avaliação do pedido médico e receber as devidas orientações acerca do preparo adequado para a coleta.

Parasitologia

É usado para detectar a presença de oxiúros (enterobios vermiculares). Os oxiúros são mais comuns em crianças que adultos.

Frequentemente, contudo, se uma criança numa família tem oxiúros, os outros membros da família serão infectados.

Ovos de oxiúros são normalmente encontrados em dobras da pele ao redor do anus. Eles raramente aparecem nas fezes.

Procedimento de coleta:

  • A colheita das fezes deve ser feita pela manhã no laboratório, sem que o paciente tenha realizado a higiene anal naquele dia.
  • O uso de supositórios e fármacos de administração tópica pode interferir no resultado.

Este método é recomendado para a pesquisa de ovos pesados, como o do Shistosoma mansoni, revelando também ovos e larvas de outros helmintos.

Mesmo não sendo ideal para a pesquisa de cistos, estes poderão ser observados, especialmente se for corado a preparação.

Procedimento de coleta:

  • Defecar em vasilhame limpo e seco.
  • Retirar frações de fezes em diferentes partes do bolo fecal (início, meio e fim) e colocar em frasco fornecido pelo Laboratório ou adquirido em farmácia, sem líquido conservante, de modo que complete pelo menos ½ (meio) frasco.
  • Em três dias alternados conforme pedido médico.
  • Sempre que houver muco (catarro), pus ou sangue, colher esta porção para que seja analisada, informando a presença dessas substâncias ao entregar o material.
  • Caso seja visualizado algum parasita, coletá-lo informando o achado ao atendente no momento da entrega do material para o adequado processamento da amostra.
  • Identificar o frasco com nome completo.
  • Encaminhar o material ao laboratório em até 2 horas após a coleta. Caso não seja possível, o material deve ser armazenado na geladeira por até 12 horas.

Centrífugo-sedimentação em um sistema éter-mertiolate. É indicado na pesquisa de larvas, ovos de helmintos e cistos de protozoários.

São examinadas devido a presença de protozoários e larvas de helmintos ou ovos.

Os estágios de protozoários encontrados em fezes são trofozoítas e cistos.

Os estágios de helmintos normalmente encontrados em fezes são ovos e larvas, ainda que possam ser vistos vermes adultos ou segmentos de vermes.

Vermes adultos ou segmentos de tênia são normalmente visíveis a olho nu, mais ovos larvas, trofozoitas, e cistos podem ser vistos somente com microscópio.

Procedimento de coleta:

  • Defecar em vasilhame limpo e seco.
  • Retirar frações de fezes em diferentes partes do bolo fecal (início, meio e fim) e colocar em frasco fornecido pelo Laboratório ou adquirido em farmácia, contendo liquido conservante,de modo que complete pelo menos ½ (meio) frasco.
  • Em três dias alternados conforme pedido médico.
  • Sempre que houver muco (catarro), pus ou sangue, colher esta porção para que seja analisada, informando a presença dessas substâncias ao entregar o material.
  • Caso seja visualizado algum parasita, coletá-lo informando o achado ao atendente no momento da entrega do material para o adequado processamento da amostra.
  • Identificar o frasco com nome completo.
  • Encaminhar o material ao laboratório em até 2 horas após a coleta. Caso não seja possível, o material deve ser armazenado na geladeira por até 12 horas.

Este método é baseado no hidro-termo-tropismo positivo das larvas pela ação da gravidade.

É um método seletivo para pesquisa de larvas e não específico, pois podemos encontrar cistos e ovos de outros parasitos.

Indicado para a pesquisa de larvas de Strongyloidesstercorales e de Ancilostomideos.

Procedimento de coleta:

  • Defecar em vasilhame limpo e seco.
  • Retirar frações de fezes em diferentes partes do bolo fecal (início, meio e fim) e colocar em frasco fornecido pelo Laboratório ou adquirido em farmácia, sem líquido conservante, de modo que complete pelo menos ½ (meio) frasco.
  • Em três dias alternados conforme pedido médico.
  • Sempre que houver muco (catarro), pus ou sangue, colher esta porção para que seja analisada, informando a presença dessas substâncias ao entregar o material.
  • Caso seja visualizado algum parasita, coletá-lo informando o achado ao atendente no momento da entrega do material para o adequado processamento da amostra.
  • Identificar o frasco com nome completo.
  • Encaminhar o material ao laboratório em até 2 horas após a coleta. Caso não seja possível, o material deve ser armazenado na geladeira por até 12 horas.

O exame de sangue oculto nas fezes, também conhecido como pesquisa de sangue oculto, é um teste que avalia a presença de pequenas quantidades de sangue nas fezes que podem não ser visíveis a olho nu e, por isso, serve para detectar a existência de pequenos sangramentos no trato digestivo que possam indicar úlceras, colite ou, até, câncer de cólon.

Procedimento de coleta:

  • Coletar uma amostra de fezes ( ou conforme orientação médica), sem contaminação de urina, e acondicioná-la em frasco sem conservante.
  • Não colher durante período menstrual, aguardar no mínimo 48 horas após o termino do sangramento.
  • Informar ao laboratório sobre o uso de medicamentos como; aspirina, AAS, anticoagulantes, antiinflamatórios, iodo ou sulfato ferroso.
  • As fezes podem ser refrigeradas num período de 12 horas, ou encaminhadas ao laboratório até 2 horas após coleta.

Urinálise

O exame de urina, também conhecido como exame de urina tipo 1 ou exame EAS (Elementos Anormais do Sedimento), é um exame normalmente solicitado pelos médicos para identificar alterações no sistema urinário e renal devendo ser feito através da análise da primeira urina do dia, já que encontra-se mais concentrada.

Instruções:

  • Preferencialmente a coleta deverá ser realizada no laboratório com retenção urinaria de no mínimo 4 horas
  • Proceder com higienização das mãos e região intima com sabonetes de ph neutro, e enxaguar bem, eliminando qualquer resquício do sabão.
  • Utilizar frasco estéril fornecido pelo laboratório
  • Desprezar primeiro jato da urina ao vaso, e colher porção media da urina no frasco e fechar bem a tampa.
  • Mulheres não coletar urina no período menstrual
  • Coletas de crianças até os 5 anos de idade, só deveram ser realizadas nas dependências do laboratório
  • Urinas do tipo 1 colhidas em casa devem ser realizadas seguindo as orientações fornecidas pelo laboratório, e com um prazo de no máximo 1 hora após a coleta.

Amostras de urina podem ser submetidas à cultura quando existe suspeita de infecção do trato urinário (ITU) ou para o controle de tratamento em pacientes assintomáticos com maior risco de infecção.

Os agentes etiológicos que mais frequentemente causam esse tipo de infecção são as enterobactérias, como Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Proteus spp. e Enterobacter spp. Entre os cocos gram-positivos, os mais frequentes são os estafilococos, destacando-se os Staphylococcus saprophyticus e os Enterococcus spp.

Instruções de coleta:

  • A coleta deverá ser realizada somente no laboratório com retenção urinaria de no mínimo 4 horas
  • Proceder com higienização das mãos e região intima com sabonetes de ph neutro, e enxaguar bem, eliminando qualquer resquício do sabão.
  • Utilizar frasco estéril fornecido pelo laboratório
  • Desprezar primeiro jato da urina ao vaso, e colher porção media da urina no frasco e fechar bem a tampa.
  • Mulheres não coletar urina no período menstrual
  • Coletas de crianças até os 5 anos de idade, só deveram ser realizadas nas dependências do laboratório
  • Uroculturas colhidas em casa só poderão ser realizadas mediante avaliação dos responsáveis técnicos seguindo as orientações fornecidas pelo laboratório, e com um prazo de no máximo 1 hora após a coleta.

O exame de urina de 24 horas é uma análise da urina coletada durante 24 horas para avaliar a função dos rins, muito útil para identificar a acompanhar doenças renais.

Preparatório:

Instruções de coleta:

  • Esvaziar a bexiga pela manha desprezando todo o volume urinário e anotar esse horário. Esse será o inicio da contagem de 24 horas da coleta de urina.
  • A partir de a próxima micção armazenar toda a urina desse dia e do dia seguinte em um frasco fornecido pelo laboratório até o horário inicial em que foi desprezada a primeira urina completando às 24 horas. Esse será o termino da coleta.
  • É importante respeitar o horário de término, pois se a ultima amostra de urina for coleta em horário diferente da inicial, o tempo não será de 24 horas.
  • Informar ao laboratório dados precisos referentes ao peso e altura do paciente, que serão utilizados no calculo final do exame.

Conservação:

  • A amostra deverá ser refrigerada durante todo o processo de coleta.
  • Colher as amostras apenas no recipiente fornecido pelo laboratório.
  • Ao termino da coleta de urina, comparecer ao laboratório para a entrega, e efetuar a coleta de sangue caso necessário.

As hematúrias são achados comuns nos exames de urina de rotina e nem sempre são sinais de doenças.

A presença de hematúria associada a outras alterações urinárias, especialmente a proteinúria, sugere comprometimento do trato urinário e merece investigação.

Na literatura são inúmeros os trabalhos que valorizam a sedimentoscopia urinária, principalmente a morfologia das hemácias, como indicativo do local do sangramento: se glomerular ou não-glomerular.

Instruções de coleta:

  • Retenção urinária de 4 horas
  • Preferencialmente coleta realizada nas dependências do laboratório
  • Volume mínimo de 30 ml de urina.
  • Coleta somente em frasco fornecido pelo laboratório
  • Mulheres não colherem no período menstrual

Vitaminas

As vitaminas e os sais minerais são substâncias imprescindíveis à vida.

Elas participam de milhares de processos metabólicos em nossos organismos, incluindo a produção de energia, de hormônios e de estruturas celulares.

A sua deficiência provoca doenças, embora sua ação se deva a pequenas quantidades diárias.

O mais importante é a presença desse conjunto, que deve ser introduzido no corpo, naturalmente, através dos alimentos.

Um indivíduo pode sofrer de problemas com o cabelo, com a visão, cansaço, infecções e diarréia por causa da deficiência de nutrientes.

Apesar de a deficiência das vitaminas apresentarem sintomas clássicos, os exames são a única forma de comprovação.

Os testes podem ser solicitados por médicos e outros profissionais da saúde, como nutricionistas.

Alguns desses exames, obtidos por meio de amostra de sangue e feitos após jejum:

  • Vitamina A;
  • Vitamina B1;
  • Vitamina B12;
  • Vitamina B6;
  • Vitamina C;
  • Vitamina D3.

 

Vale a pena lembrar que, além da dosagem vitamínica, os exames podem apontar a falta de minerais — ferro, cálcio, entre outros —, que trabalham em conjunto com as vitaminas para a execução das funções metabólicas.

Tempo de jejum:

Vitamina A: Necessário 8 horas de jejum

Vitamina D: Jejum não obrigatório, exceto para pacientes portadores de hipertrigliceridemia.

Vitamina C: Necessário 8 horas de jejum

Vitamina B12, B6, B1: Jejum não obrigatório

O Emprecard é um cartão de benefícios que tem como objetivo conceder descontos nos serviços oferecidos pelo grupo Empremed.

Rua Doutor Avelar, 150
Centro
Sete Lagoas – MG
35700-008

© 2019 – 2021 – Todos os direitos reservados – Emprecard | Desenvolvido por